Comidas Típicas: Curitiba

Que a cidade de Curitiba é moderna e bem estrutura, isso já sabemos, mas que a cozinha paranaense é formidável e muito saborosa, essa informação muitos não conhecem. Estamos na capital do Paraná, cidade exemplo de preservação, que traz pratos variados entre si, mas que juntos demonstram a essência paranaense.

Na quinta parte da nossa aventura gastronômica, Curitiba aparece nessa série com excelentes recomendações dos nossos leitores. Descobrimos que o cardápio da cidade não decepciona em nada e surpreende por sua variedade e capricho no preparo.

Da variedade paranaense, escolhemos três pratos, aqueles que por trás da sua história trazem todo jeito da cidade e que empolgam o turista a conhecer.  O Barreado, o Pinhão e a Carne de Onça são típicos daqui. E você, concorda? Acha que não? Compartilhe conosco sua opinião, que nós agradecemos!

Saboroso e bem requisitado no menu dos principais restaurantes da cidade, O Barreado pode ser servido ao lado do bom e do velho arroz e feijão. Todos paranaenses aprovam!

Como surgiu?

Falar da origem do prato é voltar para o século 17, junto com os imigrantes portugueses que desembarcaram no litoral paranaense, portanto, a influência do prato é portuguesa, porém, o preparo da forma que conhecemos hoje, veio dos Índios Carijós que cozinhavam o Barreado através das suas panelas de barro, que inclusive eles fabricavam. Uma curiosidade na cultura paranaense é que o prato simboliza a fartura, festa e alegria. O nome veio da expressão “barrear” a panela, com um pirão cinza ou farinha de mandioca para evitar que o vapor e o cozido sequem depressa.

Como é feito?

O Barreado não fugiu das variações que todos os pratos enfrentam ao longo dos anos, mas o típico, aquele que os índios preparavam é feito com carne bovina, muitas vezes é usado o rabo do boi, toucinho e temperos típicos da cozinha paranaense.

Barreado

Tudo bem que o Pinhão é degustado no país inteiro durante a festa junina, porém, como não falar que a saborosa semente não tem a cara do paranaense, que a usa como complemento em diversos alimentos, não tem morador que resista.

Como surgiu?

A semente surge da espécie de Araucária. Uma árvore encontrada principalmente na região do Sul, e em algumas partes específicas do sudeste do Brasil. Ao longo da culinária paranaense o Pinhão era o alimento por excelência dos índios locais. Chegando a ser um alimento rotineiro na alimentação do paranaense.

Como é feito?

Dada no pé de Araucária, o alimento é usado em várias refeições como aperitivo, como o Frango com polenta e pinhão, o Bolinho de Pinhão e a Conserva de Pinhão. E, assim por diante. A sementinha é ótima para acompanhar a sua refeição, independente do horário.

Pinhão

Pinhão

Quer cometer um pecado? Vá a Curitiba é não passe em algum Boteco que traga a Carne de Onça como um dos pratos principais, se fizer isso, é certo que está perdendo uma boa experiência.

Como surgiu?

Apesar de ter esse nome, a Carne de Onça, passa longe de ser uma carne de felino, não há nada que lembra o animal que leva o nome do prato, no entanto, o prato pode ser considerado exótico, surgiu como herança dos imigrantes do leste europeu, não tem a data exata da sua criação e de porque se chama assim, mas o alimento agrada as pessoas por onde passa, porque é um alimento feito com facilidade e pode se afirmar que também é rápido para comer.

Como é feito?

A Carne de Onça, talvez seja dos pratos escolhidos o menos conhecido e é a grande novidade para quem não reside em Curitiba, mas o fato é que um alimento tradicional desse se orgulha de ter mais de 50 anos de história.  Deixe de lado temperos e conhaques que seriam adicionados à carne na versão alemã e substitua o file mignon pelo também saboroso patinho, moído três vezes. Basicamente, o prato consiste em um pão preto coberto com a carne (de preferência moída na hora), com cebola e cebolinha ou cheiro verde.

Carne de Onça

Carne de Onça

Ficou com água na boca? Ainda não conhece a capital do Paraná?

Existem Hotéis em Curitibae passagens aéreas promocionais. Confira!

Agora, acompanhe a Ana Maria ensinando a fazer um belo Rabo de Barreado, veja e anote os ingredientes:

3
Gostou do tema de hoje?
Envie os seus comentários
Você precisa estar logado para enviar comentários LOGIN
aline 21-05-2014 Me ajudou bastante esse texto, pois estou fazendo um trabalho sobre isso.
Isabela Coelho 19-05-2014 Obrigada pela pesquisa, estou fazendo um trabalho sobre a copa do mundo 2014 e as cidades que receberão os jogos. Obrigada pela seleção das comidas típicas curitibanas também. Valeu!
Juliano 25-06-2013 Gostei dos três representantes da culinária Curitibana, achei que o pinhão e a carne-de-onça representam bem. Acho que o Pirogui também poderia ser incluído, mas isso é opinião pessoal. Lembro de ter comido muita carne-de-onça em uns botecos lá no Boa Vista e no Bacacheri durante a adolescência. O motivo do meu comentário é uma informação referente ao pinhão: Ele não é desgustado em festas juninas no país inteiro, aliás, trata-se de uma espécie em extinção com as suas ultimas florestas endêmicas da região sul (tem alguns poucos resquícios na região serrana SP, RJ e MG). Se você perguntar a paulistas e cariocas em geral, poucos se quer provaram, já o resto do Brasil, mas precisamente ao norte/nordeste, nunca ouviram falar. Já o comentário da colega falando de tortéis de abóbora com mel, confesso que fiquei surpreso, realmente encontrei em poucos lugares em Curitiba, apesar de eu ter crescido com a forte presença deste prato em nossa mesa, herança do lado italiano da minha família.
maria eduarda 25-10-2012 BOM EU GOSTEI MAIS NAO ME AJUDO MUITO NAO
MPB 05-04-2012 ME AJUDOU MUITO
joana karla rosa e silva 29-12-2011 Ana Maria onde você compra rabo de boi
DAIANNE 21-10-2011 Na verdade o Barreado é de uma cidadezinha de Morretes, cidade litorânea do Paraná... Mas pode ser considerada um simbolo sim... CURITIBA É UMA MISTURA DE SABORES, MAS BARREADO NÃO É COMIDA TIPICA DE CURITIBA.Conta-se que na época do entrudo, hoje Carnaval, no litoral Paranaense, o cabloco, no decorrer de três dias, deixava de lado seus afazeres rotineiros e dedicava-se a dançar fandango e a comer. Os fandangueiros só voltavam a sua vida normal à meia-noite de terça feira, com o início da Quaresma. O Barreado, hoje considerado o prato típico do Paraná, era o alimento único feito para o pessoal agüentar a maratona, e preferido pela facilidade do preparo pela cablocas. Elas podiam deixar o "cargo de cozinheira" e participar do Fandango. Têm-se notícias, que pelo mesmo motivo (liberação das pessoas encarregadas da cozinha) promoviam-se mutirões, também conhecido na região como "pixerão", no preparo da terra para o plantio ou "bateção do arroz", isto é, reuniam-se amigos, vizinhos e "camaradas" para ajudar e, em troca, poderiam saborear fartamente o Barreado.

Notas relacionadas