O que fazer em Amsterdam, na Holanda

Convidamos nossa leitora Bárbara Vanzella para contar aqui no blog como foi sua Eurotrip. Por se tratar de uma viagem com vários destinos, ela preferiu contar sobre cada um detalhadamente, com dicas e experiências adquiridas. O primeiro destino da viagem é também o primeiro a ser comentado aqui no blog: Amsterdam.

Confira o texto da nossa leitora:

Quando recebi o convite da Decolar.com para escrever sobre minha viagem, fiquei dias pensando que seria Missão Impossível tentar resumir uma viagem de 30 dias, 5 países e 8 cidades da Europa em qualquer texto que não fosse um livro inteiro! Foi quando me dei conta de que, na verdade, não fiz uma única viagem de 30 dias, mas sim muitas, infinitas viagens em 30 dias!

Partindo desse princípio, aqui vai meu relato.

Primeiro destino: Holanda- Amsterdam.

Se for possível definir uma cidade com apenas duas palavras, a minha definição de Amsterdam é: “primeiro mundo”. Por quê? Por tudo. Pela educação das pessoas, pela civilidade, pela organização, pela limpeza, pela arquitetura fantástica e única, pelo cuidado, pela funcionalidade, pela beleza.

Fazia muito frio quando chegamos no dia 14 de dezembro e, tão intrínseco a Amsterdam como o Papa o é de Roma, garoava. Aliás, todos os nossos três dias na cidade foram de muito, muito frio e alguma garoa (apesar de o Victor, meu namorado, jurar que viu sol)!

Nosso hostel era ótimo e ficava exatamente em frente a uma das entradas laterais do (lindo!) Vondelpark, um dos parques mais famosos da cidade.

Veja no Decolar.com as melhores opções de hotéis em Amsterdam

 

Vondelpark em Amsterdam

Após deixarmos as (incrivelmente pesadas) malas no hostel e de pagarmos nossos primeiros micos em outro idioma, fomos direto ao Heineken Experience, o museu interativo da cerveja Heineken. Paga-se 16 euros por pessoa, e vale muito a pena conhecer, gostamos bastante! O “museu” fica no antigo casarão que serviu de berço ao nascimento da cerveja em questão, e condensa bastante história, tecnologia e, é claro, um pouco de álcool! Como não tínhamos comido nada além da refeição da Cia aérea, foi o suficiente para sairmos de lá bebinhos e felizes! P.s: sendo às vésperas do Natal, havia um Papai Noel mucho doido fazendo a recepção do lugar, demos boas risadas com ele!

Heineken Experience em Amsterdam

Papai Noel da Heineken Experience

Heineken Experience

Assumindo o Bar no Heineken Experience

(Pausa: em Amsterdam se fala o ininteligível holandês, que, para nós, reles mortais, soa como uma espécie de dialeto alienígena, e também (obrigada, Senhor) o inglês, em ótimas condições de listening.)

Nosso segundo dia na cidade foi reservado para o Free-Walk-Tour: um passeio guiado e gratuito pelas ruas de Amsterdam. Muito legal! Agendamos na internet antes de viajar (http://www.newamsterdamtours.com/). Os guias são ótimos! Simpáticos e divertidos estudantes de mestrado se voluntariam para levar turistas para passear e contar a eles bastante história. Aprendemos sobre Anne Frank Ruiz, Red Light District (uau!) e sobre a não- tão- Festa- da- Uva legalização da maconha na cidade. Você escolhe se quer fazer o passeio em inglês ou espanhol. Porém, é interessante que seu segundo idioma seja bom, pois os guias falam realmente rápido, e em diversos momentos eu entendia alhos por bugalhos e quem tinha de me resgatar da confusão mental era o Victor, sempre às gargalhadas, obviamente (assim como o guia!).

Anne Frank Ruiz em Amsterdam

Anne Frank Ruiz

Ao final do tour, fica a seu critério pagar ou não qualquer quantia ao guia – e obviamente você pagará com um sorriso no rosto!

Nesse mesmo dia também pegamos um trem para o famoso monumento “I Amsterdam”, onde foto pouca é bobagem! E lá, bem em frente, patinamos pela primeira vez no gelo, DE MAIS! Era noite e a pista de patinação era todinha nossa, um espetáculo!

I AMsterdam

I AMsterdam

Patinação no Gelo

Aprendendo a patinar no gelo

No outro dia pela manhã fomos conhecer a famosa feirinha de Amsterdam, a Albert Cuyp market, da qual você é obrigado a tomar o suco de laranja e comer quantos stroopwafles suportar em vida!

Na feirinha foi onde encontramos o único stroopwafle quentinho, feito na hora e- pasmem- com cobertura de chocolate! É de comer agradecendo a vida a cada mordida!

De lá, foi a vez de conhecermos o Van Gogh Museum, onde está hospedada a esmagadora maioria das obras do pintor holandês! Você consegue ENXERGAR Amsterdam em Van-Gogh e, o que é mais mágico, você enxerga Van Gogh em Amsterdam! Mesmo para não entendedores de arte (mas esforçados!) como nós, o museu do pintor está no top list dos museus da viagem. E lá você também encontra Monet, Manet entre outros. Se você gosta um pouquinho de arte que seja (e se vai pra Europa, espero que goste!), vale cada centavo dos 14 euros do ingresso.

Vang Gogh Museum

Vang Gogh Museum

Bom, mas obviamente está faltando um aspecto importante neste relato, já que estamos falando de Amsterdam: as bicicletas!

Quando programamos nossa ida a Amsterdam estava nos nossos planos andar de bike, lógico. Porém, quando chegamos lá, o frio era tanto que nossa vontade ficou de stand by. Foi no nosso último dia na cidade que decidimos ignorar o frio, o nariz congelado e a garoa e conhecer Amsterdam como legítimos habitantes da cidade!

Andando de bicicleta pelas ruas de Amsterdam

Andando de bicicleta pelas ruas de Amsterdam

É facinho de alugar bike, não tem grandes mistérios! No rental (conveniado com o hostel) onde alugamos as nossas, pagamos cerca de 12 euros cada por 24h de aluguel.

E, mesmo com o frio, mesmo com a garoa e mesmo sendo à noite, foi uma das experiências mais vivas da viagem! É bom demais pedalar em Amsterdam!!! A cidade é toda plana, o que facilita em muito a vida do ciclista, que precisa estar sempre atento aos sinais de trânsito e aos turistas que, perdidinhos da silva e desacostumados que são às bicicletas, sempre estão à beira do atropelamento. Óbvio que Victor e eu quase fomos atropelados por bicicletas algumas vezes e óbvio também que eu consegui cair (ou rolar, como preferirem) escada a baixo com bike e tudo, mas nada disso vem ao caso! rs

O trânsito de Amsterdam (que trânsito?!) é extremamente organizado e consciente, e é isso o que mais rapidamente me vem à cabeça quando me refiro à história de “primeiro mundo”. Poucos são os carros vistos circulando na cidade. Não há idade para ser ciclista e nem tempo ruim: todos, simplesmente todos andam de bike. E se engana quem pensa que o povo anda pra cima e pra baixo com roupa de academia, nada disso. Do cinqüentão de terno e gravata até a adolescente de estilo, passando por senhoras de idade super ativas e cheias de compras de supermercado, não há limites!

E, para encerrar nosso passeio noturno de bike, fomos ao lugar que você não deve deixar de conhecer se gosta de sair do óbvio, de deixar de ser tratado como turista, de beber cerveja e de mergulhar na cultura local: a impronunciável e inesquecível cervejaria “Brouwerij’t IJ”. Mais afastada da região pop da cidade, foi um dos lugares que mais gostamos de conhecer! É uma cervejaria artesanal que faz a melhor cerveja que já experimentei: Zatte.

Brouwerij’t IJ em Amsterdam

Brouwerij’t IJ

É um lugar agradável, lotado de gente, onde você pede a cerveja e os petiscos no balcão e brinda a vida! Simples, barato, delicioso e único! Detalhe: não tem som ambiente a não ser as vozes das pessoas conversando e nem lugar para sentar. No melhor estilo conheça e apaixone-se!

Zatte, lembre desse nome!

Zatte, lembre desse nome!

Espero que tenham gostado do relato e que possa auxiliá-los de alguma forma!

Texto por Bárbara B. Vanzella

0
Gostou do tema de hoje?
Envie os seus comentários
Você precisa estar logado para enviar comentários LOGIN
Maria Amélia 23-06-2013 Olá Barbara B Vanzella. Foi barbaro ler seu relato, adorei. Em março/13 estivemos lá meu marido e eu vindos de Colonia(Alemanha). Chegamos de trem, andamos pelas ruas, e esta Amsterdam é linda, e voce descreveu muito bem. Parabéns e dá mesmo vontade de voltar.
jaqueline 22-06-2013 gostei do relato de viagem,muito bom.
sueli 20-04-2013 já ia desistir de conhecer a cidade.Viajo sempre sozinha e conhecer fabrica de cerveja,cervejaria .só me interessei pelo museu de Van Gogh e tem a casa da Anne Frank........mas muito pouco para conhecer perto de Roma,Firenze,Verona e outras mais ...
Babi Vanzella 15-04-2013 Olá, foi apenas um descuido, don't be so dramatic! Um abraço
Tati 06-01-2013 Ótimo post Bárbara e várias dicas interessantes. Agora, Anne Frank "Ruiz"…doeu o ouvido, ou melhor o olho. Anne Frank Huis significa Anne Frank's House ou seja a casa de Anne Frank… Não mude o nome dela, senão daqui a pouco vão estar chamando de Ana Franco Ruiz e mudar a nacionalidade dela para Colombiana… preservemos a historia.
Cristina 16-08-2012 Ótimo relato! Parabéns, você escreve muito bem! Infelizmente tive azar na minha viagem para Amsterdam, vinte dias atrás. A belíssima cidade acabou ofuscada pelo excesso de pessoas, filas intermináveis e preços abusivos. Pagar 14 euros no Rijkmuseum, que tem 12 ou 13 salas e 10 euros no Louvre (cujo tamanho me abstenho de citar) já dá a dimensão da coisa. Ah, e no Louvre menores de 18 anos não pagam. Sem contar os 22 euros jogados fora no Museu de Madame Tussaud, mas desse nem reclamo, é "pega-turista", mesmo... rs... Mas o pior, para mim, foi o excesso de maconha nas ruas. O turismo voltado às drogas era explícito e acabou incomodando. Terminar o dia com dor de cabeça e mal estar não era nada agradáve. Pretendo voltar a Amsterdam, mas fora de temporada. Viajar em julho não foi a mehor ideia. Nas outras cidades que visitei (Paris e Bruxelas) a aglomeração não comprometeu, mas em Amsterdam, realmente, atrapalhou muito.
adolfina alice santos 19-05-2012 ja fiz algumas viagens p decolar mas como nao tinha experiencia fiamos muito tempo no aerioporto de montevideo de qualquer forma e porque nao fomos avisados tenho sonho de um dia ir p grecia quem sabe
Malu 18-04-2012 Adorei o relato, vou com meu marido e rfiolhos de 15 anos para lá em janeiro, me ajudou bastante Obrigada
Guilherme 26-03-2012 Olá Barbara!!! Muito legal o post, ainda mais pq estou indo de ferias pra europa em junho, e to atas de informações sobre Amsterdam. Tens como me passar algum contato teu pra que eu pudesse tirar algumas duvidas em relação ao transporte la, o hostel que tu ficou q tu falou q era bom... desde ja agradeço.
cecilia 24-03-2012 muito bonito ,,vou conhecer em agosto de 2012,
Flávia 17-03-2012 Amei o post...quero maissssss rsrsrs em setembro estarei por lá e fiquei mais ansiosa ainda depois de ler ...valeu!
Babi Vanzella 17-03-2012 Olá, Rico! Obrigada pelas sugestões, mas de fato quando vc escreve um texto precisa enfatizar alguns aspectos, pois é complicado falar de tudo e de todos os lugares da cidade, alguma coisa sempre vai ficar de fora. Mas assim como cada viagem é uma viagem, os olhares sobre o mesmo lugar sempre serão diferentes! Abraço!
Rico 15-03-2012 Parabéns Bárbara! Vc conseguiu...Agora no próximo viagem, não deixe de falar de Rembrandt, alguma coisa dos molins de vento, o barrio vermelho, e os coffee shops, Sem esquecer da Estação Central e a praça Damm. Bom por lo demais, não foi mau!!!! Abs, Rico
Babi Vanzella 15-03-2012 Que bom que vcs gostaram! E com certeza Amsterdam é um destino que deve muito ser incluido numa viagem à Europa! ;) Babi Vanzella
Ivo Junior 14-03-2012 Adorei o relato. Pensando em colocar Amsterdã na minha próxima viagem à Europa.
Casa Paulista SA 14-03-2012 Parabéns pelo ótimo post!
Camila Lima 14-03-2012 Adorei o relato!!! Cheio de dicas bem importantes e que fazem muita diferença na hora de conhecer uma cidade como Amsterdam! Estive lá duas vezes e tenho ótimas lembranças, mas é só ler o texto que o coração aperta e dá vontade de voltar pra lá.. :)

Notas relacionadas